bugy

 

Oficialmente, as férias acabaram HOJE.

Aproveitamos tanto, que mais uma vez quase enfiamos a viola na sacola de uma vez por todas. Voltamos para casa exaustos, satisfeitos, saudosos, confusos. Vazios e cheios ao mesmo tempo. Meio órfãos, meio andarilhos, meio caiçaras. Meio crianças.

A velha vontade de jogar tudo pra cima e deixar estraçalhar no chão. O quase desapego, a semi-coragem, o desejo de parar de ter que contar. A urgência em VIVER.

Trinta dias fora do ar e uma viagem que valeu por uma vida inteira.  A vida que deixamos para trás e, talvez, a que virá pela frente.  Viagens são mesmo apartes, tem sentido em si mesmas e tem o poder de arrancar de nós o que justifica todo o resto da nossa vida.  É a vida que não deixamos de viver, não importa o que aconteça.

Largar tudo e sair por aí tira da gente a mania de pisar firme no chão e coloca a gente pra brincar no trampolim. Brincar. Pescar. Moscar. Respirar. Sorver. Saborear. Escutar. Parar.

Vimos paisagens e cores que pensávamos que só existissem em programas de computador. Conversamos com gente que parecia de mentira de tão de verdade que era. Andamos de avião, de barco, de carroça, de canoa, de bugy.  Nos admiramos de ver que pessoas vivem ( e muito bem,  obrigada)  fazendo exatamente o contrário do que fazemos…

Os meninos perderam o medo dos índios, graças a Deus.  Um agora brinca de encher a rede de peixes e pede sorvete de  JACA (?!?),  o outro não larga a zarabatana. Cresceram meses, talvez anos… em poucos dias.

A imagem mais bonita que guardei deles (e talvez até da viagem) foi de um ensinando o outro a mergulhar. Foi lindo ver bem de longe um sendo o espelho e a coragem do outro.

Houve tempo para quase tudo, para mais que o suficiente. Cachimbo, colar, cocada, coco, caju, cacau, cocar, capoeira… Teve dia de correr para conhecer três lugares diferentes, teve dia de sentar e aprender a tocar berimbau como se nada mais houvesse no mundo a ser feito.  E quem disse que tinha?

Nos meninos deu vontade de voltar, na gente de ficar.

Ainda não vai ser dessa vez que vamos embora…mas é cada vez mais claro que esquecer-se, sem sair por aí de vez em quando, é mesmo uma pena  para nós e para nossos filhos e que  o mundo é infinitamente mais abundante em possibilidades do que podemos saber sentados em nossos sofás.

 

Licença Creative Commons
O trabalho Fim de férias de Elba Oliveira foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.

Este texto possui uma licença Creative Commons BY-NC-SA 3.0. Você pode copiar e redistribuir este texto na rede. Porém, pedimos que o nome da autora e o link para o post original sejam informados claramente. Disseminar informação na internet também significa informar a seus leitores quem a produziu.

 

Em breve as dicas da viagem ao Sul da Bahia!

Curta essa artigo:
Curta a página do Conversas ao Meio Dia!

Elba Oliveira é mãe do Rafael e do Joaquim, nas horas vagas trabalha com o que gosta: Coaching, Maternagem e Empreendedorismo. Gosta do novo, do feito, da força e da brisa que sente no pico mais alto de cada montanha. Leva os bacuris onde vai.

Elba Oliveira

Comentários

comentários

10 Comentários

  • Responder
    Raquel Zaahirah
    8 de janeiro de 2013

    Onde foi toda essa folia???? Isso tem cara de nordeste, mas como teve índio no meio pode ter sido no norte tbm…

  • Responder
    Elba Oliveira
    8 de janeiro de 2013

    Sul da Bahia Raquel (Porto Seguro, Santa Cruz Cabralia, Arraial, Trancoso, Caraíva…) Meldeos…agora entendo todos voces (amigos que saem do nordeste, vem pra selva de pedra e ficam doidos pra voltar pro bem bom)! Voces é que sabem o que é bom!

  • Responder
    Simone Simoes
    8 de janeiro de 2013

    Amei o retorno!

  • Responder
    Carolina Darcie
    8 de janeiro de 2013

    Este Nordeste aí é maravilhoso. O outro, nem tanto. Mas mesmo assim, não sei como tem coragem de voltar pra insípida SJK. Eita cidade horrorosa. É, mas ela gera dinheiro. O mesmo que permite a nós todos viver 30 dias fora the realidade sofrida de levantar cedo e ir todo dia trabalhar em algum lugar sem significado. Fiquei feliz pela volta do blog! Beijos e boa volta!

  • Responder
    Elba Oliveira
    8 de janeiro de 2013

    Dizem que é uma cidade boa porque fica perto da praia, de campos, de São Paulo e a meio caminho do Rio…ou seja é boa pra se sair dela!

  • Responder
    12 de janeiro de 2013

    Ótimo texto, Elba!
    Super me identifiquei, mesmíssima vontade de jogar tudo pro alto e ir fazer coisas mais legais em outras paragens… Saudade de acampar, de não ter hora nem rotina…
    Bem-vinda de volta!
    E feliz 2013!

  • Responder
    16 de janeiro de 2013

    Muito bom conhecê-los naquele rio em Arraial. Abraço para vocês!

  • Responder
    Elba Oliveira
    18 de janeiro de 2013

    :)
    Sim, que 2013 possa ser ano de aproveitar um pouco mais! Tanto lugar bacana perto da gente, né?

  • Responder
    Elba Oliveira
    18 de janeiro de 2013

    Especial aquele lugar, né? Uma saudade doida de lá, Rafa já pedindo muito pra voltar! Que 2013 possa ser ano de aproveitar um pouco mais! Abraço pro cês também família linda!

  • Responder
    Elba Oliveira
    18 de janeiro de 2013

    Faz um mês que deixamos o Sul the Bahia e já estamos todos arfando por nova viagem, como pode? Eu quero ser repórter de viagem!

Conversas ao Meio dia - 2014 | Todos os direitos reservados!
Tema Reportage | Layout por Eluanda Andrade & Desenvolvido por RobertaRezende

Hit Counter provided by orange county plumbing