maebebemenor

Ninguém comenta, mas à boca pequena todo mundo sabe que visita de pós-parto é quase sempre sinônimo de encheção de saco. Quando temos primeiro filho, ficamos ansiosas com o preparo das tais lembrancinhas , empolgadas com os pacotes de embrulho recheados de presentes  que virão e doidas pra exibir o bebê pra todo mundo. Mas aí é só começar a “visitação” pra gente ver a chateação que pode ser ficar recebendo gente em casa sem parar quando estamos nos adaptando à nova “realidade”.

Eu consigo contar nos dedos de UMA mão as visitas agradáveis que recebi quando nasceu meu primogênito e olha que passei três meses mais ou menos recebendo gente em casa… Eu queria receber, mas não tinha filtro pra nada. O povo vinha e fazia o que queria. Ia embora e eu chorava por bobeiras sem fim.

Só pra você saber…

Ouve-se de tudo. É um povo ávido por dizer o que pensa sobre cuidados com bebês,  mesmo os que não têm bebês. São especialistas em amamentação, febre, cólica. Sabem como embalar e dão banho muito melhor do que você. Os mestres do “EU te mostro como se faz” .

“mas ele não tá com fome?”, “deve ser frio”, “só pode ser calor”, “dá chá”, “dá água”, “seu leite é fraco”, “desgruda dele senão ele vai ficar mal acostumado”, “deixa que eu pego”, “não vai dar chupeta?”

É um momento em que precisamos de silêncio para escutar o bebê, mas o falatório não cessa… Eu me sentia tentando achar a sintonia da rádio, mas só escutava um ruído chato, alto, ininterrupto. O choro do bebê não incomodava tanto quanto as milhares de sugestões por minuto, as caras e bocas e a desaprovação completa.

“quando você volta ao trabalho?”, “você vai mesmo comer isso?”, “é preciso ficar atenta”, “cuidado”, “cuidado”, “cuidado”.

Bando de maritacas!

VOCÊ É MESMO UMA PÉSSIMA MÃE!

É osso.

Fora que o povo vem e quer comer. Se refestela e deixa louça. Você  descabelada, de camisola e doida pra receber uma cesta de café de presente se levanta e prepara um banquete porque, afinal, é preciso agradar.

Liberte-se! Nada disso é necessário nem muito menos desejável.

Sim, é o povo que a gente ama e que ama a gente, mas definitivamente é o pior momento para provar ou deixar de provar esse amor.

É muita mudança, é muito hormônio, é muita expectativa. É muito medo de errar e uma vontade imensa de acertar.

O legal é silêncio nessa linda hora, é pouca gente aos poucos, mimo, liberdade.

Receba sim, é gostoso… Mas tenha em mente que a prioridade neste momento é VOCÊ e o bebê que depende dos SEUS cuidados.

Deixo 6 dicas para minorar o estresse de que TODA  puérpera que eu conheci na vida reclama dessa fase:

  1. Decida que pessoas quer receber primeiro, se quer receber na maternidade ou em casa e deixe claro que vai receber aos poucos as pessoas. Escalone mesmo. Sua avó é mais importante que sua colega do cursinho. Ou não. Não escancare as portas pra todo mundo ao mesmo tempo, vai se sobrecarregar.
  2. Estabeleça os melhores horários. Tipo: “recebo visitas das três às cinco horas da tarde”. Assim que descobrir um primeiro ritmo de adaptação à nova rotina, defina qual o melhor horário para ter pessoas por perto. A hora do banho do bebê é ótima porque as pessoas costumam ficar muito satisfeitas em verem o bambino acordado e como tem gente que chega e NÃO VAI EMBORA ENQUANTO O BEBÊ NÃO ACORDA, bingo! Resolvido o problema. Aliás, juro por Deus que tem gente até que cisma de acordar o bebê. Sério. Gente louca.
  3. Evite amamentar na frente das pessoas, pelo menos enquanto boquinha e bico estiverem se acertando. Pela licença e vá para o quarto, simples assim. Evita comentários desnecessários que podem mandar para o brejo a amamentação.
  4. Peça ajuda. Ao invés de bancar a bonita que dá conta de tudo, peça o que estiver precisando. Isso evita que as pessoas se sintam super  a vontade em abusar de você quando na verdade você não está com disponibilidade NENHUMA. Se não estiver precisando de nada, finja que está. Peça pra comprarem laranja na esquina, peça pra prepararem um chá, peça que passem na padaria quando estiverem vindo. Isso coloca as pessoas numa posição de auxílio e só fica por perto quem tá mesmo preocupado em ajudar.  Pra que bancar a deusa?
  5. Seja firme nas suas decisões sobre como pretende criar seu filho. Se decidiu não dar chupeta, não dê e deixe claro porque não vai dar. Se quer amamentar em livre demanda, amamente. Se quer levar seu filho pra sua cama, leve. É legal ter firmeza nas próprias decisões e não deixar que outras pessoas decidam por você o que é melhor para o seu filho. Normalmente conseguimos fazer isto quando temos convicção, quando nos informamos e tomamos decisões conscientes. Isto não quer dizer que você não deva ouvir o que as pessoas tem a dizer ou que deva bater de frente o tempo todo com todo mundo.  Alguns pitacos são sim preciosos. Mas não deixe as pessoas minarem sua confiança naquilo em que escolheu acreditar e não faça nada para satisfazê-las no intuito de evitar indisposição. O segredo é: se estiver firme e for firme, as pessoas se calarão.
  6. E, por fim, curta as visitas! Relaxe, dê risada, deixe que deem carinho ao bebê e a você. As visitas vem e vão. Seja franca sem ser dura se precisar e preserve as relações. As visitas passam, as relações quase sempre não. Faça o que for possível para ter o mínimo de estresse e para poder ter boas lembranças depois… As vezes isso só depende da gente mesmo saber e colocar os limites do que a gente considera bom pra gente e, com firmeza e jeito, o povo acaba entendendo.

Desejo momentos deliciosos de acolhida ao bebê, muito leite e uma excelente adaptação a todas que estão esperando a chegada da cegonha!

E SANIDADE minha gente, sanidade…

Leia também o Manual da visita bem-vida

Licença Creative Commons

Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.

Este texto possui uma licença Creative Commons BY-NC-SA 3.0. Você pode copiar e redistribuir este texto na rede. Porém, pedimos que o nome da autora e o link para o post original sejam informados claramente. Disseminar informação na internet também significa informar a seus leitores quem a produziu.

 

 

Curta essa artigo:
Curta a página do Conversas ao Meio Dia!

Elba Oliveira é mãe do Rafael e do Joaquim, nas horas vagas trabalha com o que gosta: Coaching, Maternagem e Empreendedorismo. Gosta do novo, do feito, da força e da brisa que sente no pico mais alto de cada montanha. Leva os bacuris onde vai.

Elba Oliveira

Comentários

comentários

3 Comentários

  • Responder
    Úrsula Dall'Agnol
    6 de novembro de 2013

    Que não me venham com o "eu mostro como se faz" , porque eu vou dizer "eu te mostro como pagar TODAS as despesas!"

  • Responder
    6 de novembro de 2013

    Que sutileza… kkkkkkkk…

Conversas ao Meio dia - 2014 | Todos os direitos reservados!
Tema Reportage | Layout por Eluanda Andrade & Desenvolvido por RobertaRezende

Hit Counter provided by orange county plumbing